MATÉRIAS

FIQUE POR DENTRO DO MUNDO DAS PISCINAS

Edição 79 - Olimpíadas Rio 2016




Quando realizar Oxidação de Choque?


SE VOCÊ SENTE CHEIRO FORTE DE CLORO NA ÁGUA DA PISCINA, ISSO NÃO INDICA EXCESSO DE CLORO
MAS SIM FALTA DELE.
 
Talvez o problema mais comum em piscinas de uso intenso e, com certeza, o menos entendido por usuários e tratadores em geral é o cloro combinado, também chamado de cloramina.
As cloraminas deixam a água opaca, com cheiro desagradável (de cloro) e, nos banhistas, podem causar irritações na pele e olhos e afetar o sistema respiratório. Nas piscinas internas, soma-se outro problema: o ar do ambiente se torna irrespirável e pode provocar reações alérgicas.
 
Os banhistas, que sentem o problema especialmente nas narinas, pele e olhos, acabam culpando,  o tratador da piscina pelo “excesso de cloro”.
 
Muitos pais, que sentem o ar irrespirável do ambiente, também suspeitam do “excesso de cloro que deve haver na água”, pois o cheiro se espalha pelo recinto; alguns chegam a levar seus filhos ao médico para examinar os olhos constantemente irritados e recebem o diagnóstico: “alergia ao cloro da água da piscina”. 
 
Esses são apenas alguns dos exemplos mais comuns – todos frequentemente testemunhados em piscinas de escolas, academias, clubes, condomínios e residências – que evidenciam quanto o cloro combinado (ou cloraminas) e o correto tratamento da água continuam desconhecidos por usuários, tratadores, profissionais do esporte e até da saúde.
 
A causa do problema, em quase 100% dos casos, é justamente o contrário: a insuficiência de cloro livre residual. O cloro livre, que mata os germes e ajuda a prevenir a disseminação de doenças de veiculação hídrica, também oxida contaminantes produzidos pelos banhistas, como suor, óleos da pele, urina e outros compostos que contêm nitrogênio amoniacal, mantendo a água clara, transparente e inodora, desde que seu residual seja pelo menos dez vezes maior do que a carga de nitrogênio amoniacal (contaminantes).
 
Se o nível de cloro livre não é suficientemente alto para oxidar inteiramente esses compostos de nitrogênio, a oxidação para no meio do caminho, tendo como produto final as cloraminas (mono, di e/ou tricloramina), que conferem à água (e ao ar) essas características indesejáveis (o cloro livre, mesmo com residual de 20 ppm, não transmite odor).
 
COMO RESOLVER O PROBLEMA?
 
A forma mais adequada é a prevenção da formação das cloraminas eliminando (por OXIDAÇÃO, queima) os contaminantes orgânicos e inorgânicos com oxidação de choque com um dos produtos a seguir.
 
OXIDAÇÃO DE CHOQUE COM OXIGENCO®
 
Apresenta várias vantagens, como a de não formar cloraminas, destruir os contaminantes de forma proporcional à dosagem aplicada, permitir a liberação da piscina 30 minutos após a aplicação do produto, entre outros benefícios. OXIGENCO® é o produto ideal para piscinas que não podem permanecer interditadas por muito tempo.
 
OXIDAÇÃO DE CHOQUE COM TRATAMENTO SEMANAL GENCO® 
 
Além de realizar a oxidação, ao mesmo tempo clarifica, desinfeta e elimina as algas presentes. Também apresenta vantagens de não formar cloraminas, destruir contaminantes de forma proporcional à dosagem aplicada e permitir liberação da piscina 30 minutos após sua aplicação. TRATAMENTO SEMANAL GENCO® é o ideal para uso frequente em piscinas de residências que preferem tratamento simples e eficaz com múltiplas ações simultâneas.
 
RECOMENDAÇÕES:
 
• Faça oxidação de choque sempre que o residual de cloro combinado for maior que 0,2 ppm, com Tratamento Semanal GENCO® ou OXIGENCO®. Para piscinas de uso regular, realizar esse procedimento uma vez por semana é o ideal; já as de uso muito intenso requerem oxidações de choque mais frequentes e até diárias;
 
• Mantenha o residual de cloro livre entre 2 e 4 ppm o tempo todo (*), o pH entre 7.4 a 7.6, e a alcalinidade total ajustada (80 a 120 ppm);
 
• Sempre que houver previsão de uso intenso e antes de chuvas fortes, reforce o residual de cloro livre;
 
• Retrolave o filtro sempre que necessário (de acordo com as recomendações do fabricante do filtro);
• Escove e aspire as superfícies da piscina com frequência para remover as sujeiras com as quais o cloro reage. Isso manterá a formação das cloraminas no menor nível possível.

COMPARTILHE: