MATERIAS

FIQUE POR DENTRO DO MUNDO DAS PISCINAS

Olimpíadas Rio 2016 - Especial Esportes Aquáticos




CONHEÇA MAIS SOBRE OS ESPORTES REALIZADOS EM PISCINAS DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016.
HISTÓRIA, CURIOSIDADES, DIAS E HORÁRIOS DE TRASMISSÃO ETC.
 
INSTALAÇÕES
 
Estádio Aquático Olímpico - Sede das provas de natação e da fase final do polo aquático, o Estádio Aquático Olímpico tem duas piscinas: uma para competição e outra para aquecimento. A estrutura é temporária e será desmontada após os Jogos. 
Ctr Aquático Maria Lenk - O Centro Aquático Maria Lenk foi erguido para o Pan 2007 com duas piscinas e plataformas de saltos. O complexo passou por pequenas intervenções para sediar as disputas de saltos ornamentais, polo aquático e nado sincronizado nos Jogos Rio 2016.
 
NATAÇÃO
 
COMO TUDO COMEÇOU
 
Não é exagero afirmar que a natação existe desde a Idade da Pedra, quando os homens nadavam em rios e lagos em busca de alimento. Nos Jogos Olímpicos, a disciplina está presente desde Atenas 1896. Atualmente, é uma das disciplinas que mais distribuem medalhas, com 32 eventos (16 para cada sexo), nos nados borboleta, costas, peito e livre.
 
SOBRE A COMPETIÇÃO
 
Uma piscina olímpica mede 50 m de comprimento, 25 m de largura e 3 m de profundidade, e a temperatura da água varia entre 25°C e 28°C. As competições são divididas em eliminatórias, semifinais (com os 16 melhores da prova) e finais (com os oito melhores das semifinais).
Além das provas individuais para cada estilo, ainda há o revezamento, disputado por equipes de quatro atletas – com cada integrante do time cumprindo parte da prova – e o medley, por equipes ou individual, que reúne os quatro estilos da natação na mesma prova.
 
VOCÊ SABIA?
 
• Ninguém subiu ao pódio Olímpico tantas vezes quanto o americano Michael Phelps: de Atenas 2004 a Londres 2012, o atleta pendurou no pescoço nada menos que 22 medalhas. Ele também detém o recorde de ouros (18) e de vitórias em uma mesma edição dos Jogos Olímpicos (8), em Pequim 2008;
• Primeira mulher sul-americana a disputar uma edição de Jogos Olímpicos, a brasileira Maria Lenk esteve em Los Angeles 1932 e Berlim 1936 e chegou a ser recordista mundial dos 200 m e dos 400 m peito. Com a vida dedicada à natação, foi homenageada com a construção de um centro aquático na Barra, que, nos Jogos Rio 2016, receberá os torneios de saltos ornamentais, nado sincronizado e polo aquático.
 
NADO SINCRONIZADO
 
COMO TUDO COMEÇOU
 
Apelidado de “balé aquático”, o nado sincronizado se popularizou na América do Norte durante os anos 1940 graças à estrela de cinema Esther Williams. Uma década depois, as primeiras regras de competição foram formalizadas, permitindo que a disciplina se desenvolvesse até ingressar nos Jogos Olímpicos em Los Angeles 1984. Até hoje a participação é exclusividade das mulheres.
 
SOBRE A COMPETIÇÃO
 
As atletas são avaliadas em três quesitos: execução, dificuldade e impressão artística – que inclui coreografia, interpretação da música e forma de apresentação. O tempo para a performance de duetos pode variar entre 2min20s e 3min, e, para as equipes, de 2min50s a 4min. Durante as apresentações, as atletas não podem usar o fundo da piscina para se apoiar ou ajudar uma companheira. 
As piscinas possuem sistemas de som dentro d’água para que as atletas acompanhem a música da coreografia. Na apresentação por equipes, cada país deve inscrever nove atletas, mas apenas oito podem participar da competição. Biquínis são proibidos, e maiôs são obrigatórios. Dependendo do tempo que a atleta fica submersa, um clipe nasal pode ser utilizado para impedir que a água entre no nariz.
 
VOCÊ SABIA?
 
Em Barcelona 1992, os duetos formados por Karen e Sarah Josephson (EUA) e Penny e Victoria Vilagos (Canadá) ganharam ouro e prata, respectivamente. 
O detalhe é que ambos os duetos eram formados por irmãs gêmeas. Próximo anfitrião desta edição dos Jogos Olímpicos, o Brasil também tem um histórico de gêmeas competindo no nado sincronizado: Isabela e Carolina de Moraes representaram o País em Sidney 2000 e Atenas 2004.
 
POLO AQUÁTICO
 
COMO TUDO COMEÇOU
 
O polo aquático foi a primeira competição por equipes a se tornar parte do programa Olímpico, em Paris 1900. Desde então, esteve presente em todas as edições dos Jogos, embora passando por mudanças importantes, como a bola utilizada (menor para as mulheres), o número de jogadores (de 11 para 13) e, mais recentemente, a introdução dos pênaltis nas partidas que terminam empatadas.
 
SOBRE A COMPETIÇÃO
 
Em comparação com alguns esportes de equipe, 32 minutos (divididos em quatro períodos de oito minutos) parecem pouco tempo. No entanto, sem poder pôr os pés no fundo da piscina, os atletas se esforçam sem parar, nadando até 5 km por partida. 
Com exceção do goleiro, os jogadores não podem segurar a bola com as duas mãos. 
Também não é permitido apoiar-se, pegar impulso a partir do gol ou das bordas da piscina, socar a bola ou espirrar água contra o oponente de propósito. 
Cada equipe é formada por 13 jogadores, sendo sete titulares: seis atletas de linha e um goleiro. As mulheres jogam de maiô, e os homens, de sunga.
 
VOCÊ SABIA?
 
• O time masculino húngaro é a mais bem-sucedida equipe do polo aquático Olímpico. Já conquistou 15 medalhas – quase o dobro do segundo colocado, a Itália, com oito;
• O torneio feminino ingressou nos Jogos em Sidney 2000, e as norte-americanas nunca estiveram fora do pódio, um feito quase igualado pelas australianas, que só ficaram ausentes em Atenas 2004;
• O húngaro Olivér Halassy sofreu um acidente de carro quando criança e teve o pé esquerdo amputado. Isso não o impediu de conquistar três medalhas olímpicas: prata em Amsterdam 1928, e ouro em Los Angeles 1932 e em Berlim 1936.
 
SALTOS ORNAMENTAIS
 
COMO TUDO COMEÇOU
 
A estreia nos Jogos Olímpicos foi em St. Louis 1904, mas os saltos na água já eram praticados desde os séculos XVIII e XIX, com ginastas fazendo acrobacias antes de mergulharem em rios e piscinas da Suécia e Alemanha. O formato das competições passou por alterações até Sidney 2000, com a inclusão de eventos sincronizados em trampolins de 3 m e plataformas de 10 m.
 
SOBRE A COMPETIÇÃO
 
Os atletas recebem pontos conforme a comple-xidade e a precisão de suas acrobacias. Os homens realizam seis saltos, e as mulheres, cinco. Sete árbitros atribuem notas de 0 a 10 para cada salto, e as duas notas mais altas e as duas mais baixas são descartadas. A pontuação restante é somada e multiplicada em função da dificuldade do salto. 
 
TIPOS DE SALTOS
 
• Para frente – mergulho em direção à água.
• Para trás – saída de costas para a água.
• Pontapé – saída para frente, execução do movimento para trás.
• Revirado – saída de costas e execução para frente.
• Parafuso – independentemente da saída, o corpo deve realizar um giro.
• Equilíbrio – na posição inicial, o atleta está com as mãos na plataforma e os pés para o alto. É realizado apenas na plataforma de 10 m.
 
VOCÊ SABIA?
 
O americano Greg Louganis é um dos maiores saltadores ornamentais da história olímpica, tendo conquistado quatro ouros e uma prata em três edições dos jogos. Em Seul 1988, após ter deixado o público apreensivo ao bater a nuca no trampolim na fase eliminatória, Louganis subiu ao lugar mais alto do pódio no trampolim de 3 m e na plataforma de 10 m.